11 agosto, 2016

O pastor que não aceitou trato com o diabo.







"Jesus o filho
do Deus altíssimo
veio a este mundo
para curar, salvar e
livrar o homem cativo."


Contos da vovó.
O pastor que não aceitou o trato com o diabo.

             Vovó era benção... Estar em sua casa era sempre uma festa para todos nós. Ali a gente via todos de uma só vez: Tios, tias, primos e primas. Em quase todos os feriados e finais de semanas a gente estava lá; Na casa da vovó! E aí já viu né? Estar lá, era estar, na casa da vovó. Rs. Se alguém deixasse de ir, bem! No ato ela pegava o telefone e cobrava sua presença. Ordenando: vem!...
             Durante os dias de calor nós corríamos, pulávamos e nos atirávamos de cara e peito na piscina esparramando água por todos os lados. Jogávamos bola na quadra, subíamos nas árvores e chupávamos variadas frutas da época, colhidos do pé.
             Depois vinha a hora do almoço, e posso ver e vejo  pois trago gravado em minha memória. Vovó servia a todos nós; um a um e disso fazia questão. Só depois, aí então é que almoçava; mas primeiro queria que todos nós estivéssemos muito bem servidos.
             Quando chegava a noite ela reunia a todos na varanda da casa grande; e sortido a queijo, bolo, torta, suco e café; então ali nos contava uns casos bons. Rs.
              
              Hoje passou em minha memória, o caso do pastor que não aceitou a proposta do diabo.
              Vamos ler?

              Contou-nos minha vó que lá nas bandas do interior sul do norte de sua terra natal; onde nasceu, cresceu, conheceu meu avô e casou-se, existia um homem velho e solitário. Não era casado, não tinha filhos, não tinha parente, nem tinha amigos. Mesmo assim, vivia por lá a perambular. Portanto vivia só, era faminto, sujo e fedorento. Ninguém nunca soube quem foram os seus pais. Nunca saldava ninguém e sempre quando era visto; falava sozinho. Diziam: Ele é um possuído conversa e anda com o demônio... Sua única companhia é o demo...

Porém, um dia chegou nesta mesma cidade um jovem pastor, moço novo forte e cheio de vida; veio a mando de sua matriz, lá da cidade alta. Comprou um terreno construiu sua igreja e todas as noites pregava o santo evangelho do Deus altíssimo. Aos poucos sua igreja foi crescendo; as pessoas foram chegando, o número de membros foi aumentando, e aumentando tanto, de modo que em pouco tempo esse pastor ficou muito conhecido e querido naquela cidade.
Mas como tudo o que progride, também causa incomodo; com ele não foi diferente. Então se juntaram algumas pessoas contra os cultos do abençoado pastor; que por estes tempos já compunha a igreja sempre cheia louvando e bendizendo o nome santo do Deus altíssimo. De pronto, então reuniram-se e foram essas poucas pessoas a fazerem reclamações as autoridades locais; exigindo que calassem o determinado pastor, mas todas as suas acusações sem fundamento algum, portanto uma investida sem êxito.

              Então prosseguia o jovem reverendo com o seu bonito trabalho evangelizando toda a cidade. Até que num belo dia de domingo à noite, aconteceu: Era um culto público, a igreja estava cheia, veio um pregador de fora, também fora convidado um cantor; Tudo preparado para naquela noite em nome do senhor Jesus, sacudir e abalar todos os pilares das trevas e do inferno.
               No meio do culto quando a igreja se achava em plena sintonia com o poder do alto; eis que surge o homem solitário e imundo, e de onde estava lá no meio do corredor da igreja ele tomado pelo poder extremo do mal, esbraveja dizendo: Pastor! Eu vim lhe propor um combinado. Neste instante, toda a igreja permaneceu em oração. Continuou o homem sujo com o seu discurso, indesejado: Quero lhe propor um combinado, deixe de pregar este teu evangelho chato e impertinente, pare de falar que Jesus salva, perdoa e cura; vá embora desta cidade ainda hoje... Em troca disto, eu que sou uma legião de demônios e possuo este corpo há bem mais de trinta anos; declaro-te que se tu firmares isto comigo, hoje mesmo deixo este corpo escravo meu, e saio, e vou embora!... Deixo este homem livre...
                 O pastor de onde estava, lá de cima do púlpito mesmo; Levantou sua mão direita na direção daquele possuído e exclamou: Jesus o filho do Deus altíssimo veio a este mundo para curar, salvar e livrar o homem cativo; Eu não tenho trato, nem combinado algum com você, demônio! E também não farei... E em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo; eu te ordeno: deixe este corpo agora mesmo e vá para o inferno que lá sim é teu lugar. Vai!

Na mesma hora aquele homem ficou liberto...

Rs...

Faloouuu!!!...







                                                                               Ao lado do "Pai"

02 maio, 2016

Deitado eternamente em verdes pastos.





Deitado eternamente
em verdes 
pastos, guiado 
mansamente
em águas tranqüilas.




             Certamente aquele convite seria mais uma vez a protetora mão do “Todo Poderoso”, operando a meu favor.

            Até a época de minha adolescência cresci tendo a seguinte dúvida: como poderia Deus conhecer e atender o necessário para cada ser humano? Imaginava Ele um ser ocupado, sobrecarregado na solução de seus problemas mil. Acreditava num mundo ainda inacabado, pecando ignorava Ele conhecer a mim e a ti, pelo nome. Só na fase jovem-adulto elucidou-se de vez recaindo sobre mim o conhecimento daquilo desconhecido.
             Tudo se deu como tudo se da na vida de qualquer pessoa comum e incrédulo; sabe, por exemplo: quando não se tem dinheiro no bolso e bate-lhe uma vontade inesperada de comer um pastel de carne? É! Eu me lembro disso... Foi por aí que tudo aconteceu; desempregado e sem nenhum tostão até para a condução, pedi a Deus “Senhor se Tu existe mesmo, eu quero agora um pastel de carne”. Mal ditei tais palavras surgiu em mim o imprevisto de verificar o bolso interno de minha jaqueta jeans, o que encontrei, deu de sobra para pagar não só o pastel, mas também o caldo de cana e a volta de ônibus pra casa. Rs... Isso parece uma coisa boba e de fácil solução, não é mesmo? Mas e se eu afirmar que de lá para cá não tenho mais dúvida de sua infinita providência... De lá para cá aprendi a deitar-me em verdes pastos, e ser guiado mansamente em águas tranqüilas. Daquilo que preciso, Ele já sabe, conhece o meu deitar e levantar, Dele parte um anseio ardente em atender todos os desejos de meu coração. Agindo sempre como Pai o seu proceder excede todo cuidado, intercedendo sempre a nosso favor.
Veja esse recente exemplo:
Geralmente ajo sempre assim: acato todas as propostas que minha esposa tem. Magoá-la nunca! Jamais! Adoro vê-la radiante. Faze-la feliz é minha obrigação. Então ficou combinado que pro dia seguinte eu e meus funcionários iríamos carpir todo mato da roça de nossa chácara que a muito já vinha mui alto deixando assim desparecer toda sua beleza; como não sou dado à enxada, e como naqueles dias o sol era por demais, escaldante; à noite me ajoelhei e orei ao Senhor, mais por misericórdia que por gratidão e caí no sono, certo que o dia de amanhã à coisa não seria mole, não. 
               Mas veja o que se sucedeu; ainda bem cedo ela me despertou com o seguinte convite: que tal se após o almoço formos ao centro de nossa cidade conhecer e apreciar a feira de artesanato? Minhas colegas dizem que este ano estão muito melhor, com diversidade de novas barracas e, variedades surpreendentes. Rs... Disse tudo isso como se pro dia não houvesse nada... Pensei: é de Deus! Só pode ser de Deus isso aí! Certamente aquele convite seria mais uma vez a protetora mão do “Todo Poderoso”, operando a meu favor. Passear é muito melhor que trabalhar, não titubeei, de pronto aceitei e pronto. Rs...
                Se você é daqueles assim como fui em minha adolescência, que tem dúvidas da protetora mão de Deus agindo a nosso favor, sugiro que faça prova, daí por diante venha viver como eu: Deitado eternamente em verdes pastos, guiado mansamente em águas tranquilas...

Rs...

Faloouuu!!!...






  
                                                                               Ao lado do “Pai”