23 maio, 2015

Desapareceu um povo!






Um povo 
desapareceu!
Tem gente sumida
de todos os lados!
                   
            Se conheço Durvalico? Vixi! Já tem bem mais de uns dez anos; ou mais... Agora pensa num cabra bom de papo. Pensa!... Outro dia ele veio até aqui na loja, mas só para tomar um cafezinho. Aí começou a falar; e foi falando, falando e falando. Pronro! Passou a tarde inteira. Rs... 
               Dentre os casos bons que ele me contou; escrevi esse.
               Leiam:

               Desapareceu um povo! Um povo desapareceu! Sumiu gente! Tem gente sumida de todos os lados!
               Sumiram gente de todos os lados? Que coisa é essa, aí? O que ta havendo? Clamei assim, logo que saí portão a fora com um geande pesado porrete na mão; e vendo gente louca por toda rua a fora. O bastão seria pra me defender. Imaginem, só: Se sumiram com um bando de gente; então poderiam querer sumir comigo também... Rs...
               Vi meu vizinho chorando muito e entre soluços olhava para cima procurando sua mulher; Assim que me avistou correu ao meu encontro e, se lamentando dizia ele que havia presenciado tudo. E me contou, mas ou menos assim:
               Era Jesus!
               Que Jesus veio buscar o seu povo escolhido; e sua mulher foi arrebatada de dentro da cozinha de sua própria casa, e que ele ainda tentou agarra-lá; tudo em vão. Por que ela subiu com muita força! Assim como um foguete. Foi tudo muito rápido...
Ela havia subido com Jesus o Filho de Deus Altíssimo e ele não! E no seu contínuo lamento afirmava: Que ele era um rebelde, nunca havia dado bolas pra esse tipo de conversa de salvação e tudo mais. Mais agora ele iria pagar; e iria pagar no quente, fogo... No fogo, quente; do inferno com o diabo e os seus anjos desgarrados e, que ele também era um desgarrado! Que ele agora iria pagar e se queimar...

                Diante do exposto tentei acalmá-lo...
                Más espera aí um pouquinho, pensei eu... Rs...
                Se ele havia ficado e se tantas outras pessoas também haviam sumido e se tantas outras pessoas também haviam ficado e se na minha rua estava um corre-corre de gente doida pra todos os lados... E eu?
                 O que estaria eu fazendo ali, no meio da rua de frente para a minha casa vendo aquele bando gente louca desesperada correndo pra lá e pra cá gritando apavoradamente à procura dos seus entes-queridos desaparecidos? E eu...?
                 Eu não! Pô! Eu não poderia estar ali, não senhor! Com toda a certeza eu deveria estar lá em cima junto com aquele povo santo e, salvo; eu sou um anjo! Ou, não?... Tentei pular, saltar, voar e não consegui... O que estaria acontecendo? Eu sou um salvo! Ou, não...?
                 Jesus havia voltado levado um povo e eu não havia subido!
                 Eu sou um salvo! Ou, não?
                O desespero tomou conta de mim, eu queria pular saltar, voar subir para o mais alto nível possível e não conseguia... Eu queria ir para cima encontrar e ficar com Jesus, eu era um salvo. Ou, não?
                 E naquele tormento, quando o desespero já havia tomado conta de mim; onde eu querendo saltar, pular, voar e não conseguia...
                 
                 Aí tomei outro susto!

Acordei com minha esposa dizendo: Este seu soninho das quatro horas da tarde ta ficando cada vez mais pesado. Já não acorda nem com o barulho da campainha... Ainda bem que quando sai levei minha chave!

Ela disse soninho, de sono.
Prefiro:
Devaneios... 

Rs...

Faloouuu!!!







                                                                               Ao lado do"Pai"