29 maio, 2014

“O bem educado” me disse que andam blasfemando por aí.







Feliz é o homem, 
feliz é a nação cujo
Deus é o senhor!


             Que absurdo meu Pai. Rogo vos, pela sua infinita misericórdia, mais uma vez tenha compaixão, ainda são ignorantes. O tempo passou e não aprenderam nada, até hoje, continuam a desconhecerem o que falam.

No meu bairro. Assim, como também em outros tantos; existe um andarilho, pedinte. Só que com: “O bem educado” (Esse é o nome que arranjaram pra ele), o caso é bem diferente, trata-se de um vagabundo muito inteligente, que horas e outras me leva a pensar: De onde tira tanto conhecimento e atualidade? Suas conversas são sempre de tão alto nível... Essa semana quando lhe perguntei como vão as coisas? Por ser interessante e de qualidade, resolvi editar tudo o que dele ouvi. Quando lhe falei da minha intenção, ele deu de ombros, balançou as mãos e cantando uma canção bonita, foi embora. Sua música não me sai da cabeça, e inicia-se assim: “O céu brilha, O céu brilha, O céu brilha, hoje brilhou em mim”... 
Na íntegra ficou difícil, mandar pro papel tudo o que ouvi; mas foi mais ou menos isso:                

Há alguns dias ouço um boato a rolar por aí, ou melhor, das más bocas atualmente, como um cheiro ruim que sai de um buraco esquecido num canto de uma viela qualquer, com todo o dês-caráter sem o mínimo de ressentimento, vergonha ou pudor; liberam a nauseante vociferação; e veja a que ponto chegou; eles. Para mim: uns desorientados, maus agradecidos e indolentes. Ter dúvida da unicidade de Deus é admissível, compreendo, hoje em dia são tantos nomes, deuses e religiões inventadas pelos homens, que possam com isso até confundirem as cabeças dos menos desavisados. Mas vir a público, eles, na falsa modéstia alegando fortes convicções da inexistência de Deus, aí digo que foram longe demais. A mão que acalenta é a mesma que bate... Blasfemam ao esbravejarem pelos cantos da terra, que Deus, o único construtor e mantenedor de todo o universo; não passa de uma criação humana. Expelem por onde passam; que Jesus, o unigênito do Pai, meu irmão, rs; nunca existiu, que essa história da Santíssima trindade; são fictícios, imaginários, mera balela.

Que absurdo meu Pai. Rogo vos, pela sua infinita misericórdia, mais uma vez tenha compaixão, ainda são ignorantes. O tempo passou e não aprenderam nada, até hoje, continuam a desconhecerem o que falam.

Ao contemplar o céu todo azul ou o sol a brilhar; seria aí por acaso, uma obra do acaso, e por ventura no acaso não teria a mão de Deus?... 
No princípio quando ainda não existia nada, Ele disse: Haja luz! E houve luz. E a vida quem lhes deu? Imaginam serem auto-suficientes a ponto de se sustentarem? A capa do falso entendimento; os cegam. Deus é a vida! E a vida está Nele, fora Dele não há. 

Feliz é o homem, feliz é a nação cujo Deus é o Senhor!
O céu brilha, O céu brilha, O céu brilha, hoje brilhou em mim”... 


Valeu! “Bem educado”. Suas palavras são de grande valor. 

Rs...

Faloouuu!!!...









                                                                                                        Ao lado do “Pai”

24 maio, 2014

Eu prefiro ficar aqui, com meu Jesus!




Eu afirmo e declaro:
Deixo as coisas de fora,
lá fora. E prefiro ficar aqui, com o meu Jesus!

        Assim como em toda a noite passada que também choveu muito, e muito esfriou. O dia também amanheceu chovendo, e faz muito frio hoje, aqui em minha cidade.

            E não é bem verdade que as coisas mudam mesmo! E de uma hora para outra a mente da gente vaga; e de um momento para outro momento essa mesma mente titubeia e hesita e oscila; fazendo-nos mudar de um instante, para outro instante; de uma opinião para outra opinião.Vejam: Ainda hoje ao acordar  meu propósito foi de sair e fazer umas compras no shopping center mais perto de minha cidade; depois de lá, quem sabe no tempo de um bom cafezinho, pensasse assistir um bom filme qualquer. Quem sabe...? Então, por uns minutos solutos mais derramo um bocado de café em minha xícara preferida, e sorvo; saboreando deliciosamente este líquido quente. Assim como em toda a noite passada que também choveu muito e muito esfriou. O dia também amanheceu chovendo, e faz muito frio, hoje aqui em minha cidade; por isso agora e nesse momento quando espio pela fresta de minha persiana e vejo lá em baixo as pessoas passeando na rua do comércio que se situa na frente meu prédio paro e digo para mim mesmo: Não tenho vontade alguma de deixar ou sair deste meu gostoso aconchego... Rs...
           E soluto que estou prossigo continuamente sorvendo e saboreando deliciosamente este liquido quase quente e cafeinado até que termino.
Agora que termino; Pergunto-me: Vou ou não vou, as compras? Impressionante como ainda hoje e há pouco tempo, estava certo e convicto daquilo que iria e deveria fazer... Mas agora me acho impressionado com a forma de estar impressionado na dúvida que tenho em ir ou não ir às compras que devo fazer. Há! Minha mente que vacila e voltas atrás. Antes estavas certa do que deverias fazer e agora da mesma forma também lhes considero certa daquilo do que não deveis fazer. O que fazer então? Para que não debatemos não pedirei mais interferência sua e nessa decisão indecisa decidirei por mim mesmo o que fazer e farei o que me a de melhor e de melhor me convier que faça assim o farei...
         Por isso e agora nesse momento quando espio mais um pouquinho nas brechas de minha persiana e vejo lá em baixo as pessoas que de um lado para o outro lado transitam inconstantemente de baixos de seus guardas chuvas e conscientemente assim mesmo se molham; decido conscientemente que decidirei; e o que eu decidir estará e será conscientemente decidido e ponto final.
    Então assim decido, e fica determinantemente determinado, que: eu prefiro ficar aqui com o meu Jesus; e para que isso melhor venha proporcionar o acontecer neste dia chuvoso e frio como se encontra lá fora, hoje. A melhor, maior e mais preciosa coisa que devo fazer nestes momentos preciosos, indubitavelmente são três:

1 - Ouvir uma boa música.
2 - Ler um bom livro.
3 - Assistir um bom filme.

Tudo isso sem titubear no indiscutível, e caloroso gostoso aconchego do meu espaçoso; lar.
Diante do impasse exposto reafirmo e declaro: deixo as coisas de fora, lá fora.
E fico aqui dentro com o meu Jesus!

Rs...

Falooouuu...!!!...



                                                              Ao lado do "Pai"


17 maio, 2014

Hoje uma irmã cantou o hino da minha avó











Hoje na minha
igreja uma irmã
cantou o hino da minha avó.

              
             Tem um hino do cantor cristão, que minha avó cantava muito.

         Todo mundo diz: Sua vó contava uns casos bons, hein! Eta, velhinha boa de contos era ela! Não sei de onde tirava tantos, se nem ler, sabia. Parece que tinha um ímã grudado em si para atrair tantas pessoas, e quem ouvisse um, aí tava pego! Querendo mais e mais e mais. A oratória é um dom, congênito, da própria pessoa e ninguém tira. Por isso quem tem, tem! Quem não tem, não tem. Há aqueles que por astúcia ou vivacidade buscam e adquirem através dos estudos, cursos, observações e práticas; mas em minha opinião os bons mesmos são os nato; e se estudados, então melhor, podendo vir até conquistar o mundo.
        Nos tempos de minha avó, na casa grande não faltavam pessoas para uma boa conversa, e nos finais de semana: aí sim, era lotada. Então se fazia muita polenta, linguiça de porco, com batata frita, e uma enorme panela de arroz branco; onde todos comiam e bebiam a vontade; para depois cantar e dançar, bem acompanhado de uma sanfona e vários violões; e isso sim era uma festa, um verdadeiro culto ao ar livre. Rs. Até os não crentes se regalavam.
Tem um hino do cantor cristão (Número 308), que minha avó sempre cantava, ela adorava esse hino, e quando cantava, botava a alma na música, contagiando a todos, presentes; Sua voz não era boa para o canto, era desafinada; mas rítmo tinha de sobra e isso ajudava muito. 
Um dia por volta dos meus sete anos de idade, minha avó amanheceu muito doente e foi logo internada, vindo a permanecer por vários dias na U.T.I... Quando saiu e foi pro quarto normal os irmão de fé a visitaram, e cantaram seu hino; Naquele dia ela não cantou, mas seus olhos choraram... E quando todos pensavam que dali sairia com vida, um anjo de Deus veio e a levou consigo, nos deixando órfãos... Isso não me agradou nem um pouco, e me lembro ter blasfemado contra o Todo Poderoso, não achando justo, te lá tirado de nós, e nesse rancor de profundo ressentimento, permaneci vários dias, sendo consolado por minha mãe, ela me disse: Meu filho querido! Sua avó agora mora no céu, lá é o lugar dos bons, e de lá ela cuida de nós; se você quiser vê-la e, falar com ela, olhe pro alto, localize a estrela que mais brilhe e fale.
       O tempo passou e passou muito, hoje casado, sou pai e também avô. Mas nunca me esqueço de localizá-lá no céu.
       Então hoje na minha igreja uma irmã cantou o hino da minha avó, não me contive, fechei os olhos e chorei. Quando terminou o culto, voltei para minha casa, observando silenciosamente o movimento das estrelas; e cantando só para mim, este maravilhoso hino, que sempre me lembra dela.

Para Onde For Irei.
Se eu tiver Jesus ao lado e por ele auxiliado,
Se por ele for mandado a qualquer lugar irei.

Coro

Seguirei ao meu bom Mestre,
Seguirei ao meu bom Mestre,
Seguirei ao meu bom Mestre,
Onde quer que for irei.

Seja meu caminho duro, espinhoso ou inseguro,
Em seus braços bem seguro, aonde me mandar irei.
Males poderão cercar-me, ou perigos assustar-me,
Mas, se Cristo segurar-me, aonde me mandar irei.
Quando terminar a vida, finda minha triste lida,
Tenho a glória prometida, eu pra meu Senhor irei. 

Cantor Cristão (308)

Composição: 

Fanny Jane Crosby (1859-1930); Ira David Sankey (1840-1908)




Ouça:

Hino 308 do cantor Cristão "Para Onde for Irei"




                                                             Ao lado do "Pai"