19 julho, 2015

Anjos são seres imaculados enviados por Deus.











         Tive um inovador e eficaz que a todo instante pegava no meu pé educando-me.

        Na ante-sala, enquanto aguardava minha vez, pude ouvir nitidamente o esvoaçar de suas asas, pousando. Suas palavras soaram novamente em meus ouvidos: Será rapidinho meu filho, e não vai doer nada. 
            Ontem ainda cedo quando me preparava para ir ao dentista, o telefone tocou, fui atender era meu amigo comentando: se você estiver pensando em sair de casa para qualquer fim, melhor não fazer isso, pois acabou de acontecer um acidente na via expressa, e está toda parada no sentido cidade, pelo balançar da carruagem a coisa vai se prolongar por mais um pouco, até que aos poucos volte ao normal. Dei meia volta por cima dos meus calcanhares e, repensei: Essa é boa. Pra quem havia determinado naquela manhã não atender nenhum telefonema... Mas acontece o seguinte: Anjos são seres imaculados enviados por Deus, para nos livrar do mal. E eles estão aí, estão ali e estão aqui, agindo para o nosso bem. Só agindo. Nossa pobre visão embaçada é que nos engana não nos deixando ver. Por isso de uns tempos pra cá passei a observá-los mais, sempre atento, assim como um caçador à espreita de sua caça. E a cada dia me surpreendo. A cada dia me certifico ainda mais que vivemos entre eles, tem deles por todo lado, tem eles aí, tem eles lá, tem eles cá. Faço um passeio ou uma viagem pelo interior do norte do meu país, lá os encontros; eles estão por toda parte. Executo uma boa ação, sou um anjo bom; pratico uma má ação, fui um anjo mau. Logo isso me dói, sofro e me sinto ruim, em todo o momento pergunto: por que, por que um caráter dual?...
         Meus primeiros contatos com estes seres angelicais foram feitos quando ainda era uma criança; tive um inovador e eficaz que a todo instante pegava no meu pé educando-me: “Tome cuidado com o que você come meu filho, não coma qualquer coisa por aí, seus dentes são muito valiosos, perder um deles seria como perder um dedo”. Rs.
        Outra noite num jantar informal com meus amigos surgiu-me duas perguntas: como identificar um anjo bom, e outro mau? Respondi-lhes: Um correio que lhe trás uma carta esperada, esse é um anjo, bom. A pessoa que receber esta carta e não lhe entregar, esse é um anjo mau!
Conhecendo que todo trabalho não é vão. Digamos que ao praticar uma boa ação fui um anjo bom, e que exista um prêmio de recompensa a cada boa ação praticada, somando-se assim bônus positivos; naturalmente cada má ação praticada, somar-se a bônus negativos. Sem escapatória, num processo contínuo enquanto durar nossa trajetória terrestre, óbvio acontecerá um acúmulo. No entanto chegará um dia, o grande dia, o dia da grande conferência, onde os bônus positivos poderão ser trocados por pedras preciosas, elas engrandecerão ainda mais nossa ditosa coroa rs. ...Sei de pessoas maravilhosas, elas levaram daqui muitos bônus positivos...
            Meu pai dizia a seguinte história: “Quando viemos pra vida, trouxemos cada qual uma escada, a quantidade de degraus existente nesta escada será exatamente a metade dos anos que iremos viver; todo ano subimos um degrau até que cheguemos ao topo, por onde, do lado oposto passaremos a descer. Se você tiver sua escada somando quarenta degraus; significa: que viverás; oitenta anos”. Aqui paro e novamente repenso: Bom seria cada ser humano sentir uma profunda necessidade de avaliar seus bônus, nunca se sabe se na escada da vida continuamos subindo, ou se iniciamos nossa descida...

          Sabendo que tudo o que temos nada que temos é nosso e muito temos de cuidar, hoje cedo fui ao dentista. O telefone não tocou, e a estrada estava limpa. Na ante-sala, enquanto aguardava minha vez, pude ouvir nitidamente o esvoaçar de suas asas pousando. Suas palavras soaram novamente em meus ouvidos: Será rapidinho meu filho, e não vai doer nada.

Rs.

Faloouuu!!!...

 




                                                                               Ao lado do "Pai"

Nenhum comentário:

Postar um comentário