08 março, 2013

A prioridade, será não ter prioridade.








O que nos é
absolutamente
necessário, já o temos!...



                  Daqui para todo o sempre, agirei sempre assim: do tempo que tenho (Se é que tenho), decidi não ter mais prioridades. A prioridade será não ter prioridade.

                 Às vezes paro pra pensar, e aí penso, penso e penso. Embevecido, solto, alheio num decorrido tempo que tenho, só penso, penso e penso. Penso tanto em tantas coisas boas que o tempo já me deu pra pensar, que aí o tempo voa me esquecendo por completo do consumido tempo em que estive embevecido, solto, alheio num distraído destorcido tempo a imaginar.
                Hoje pela manhã, sem ter bem o que fazer (E diga se de passagem, agora depois de uns dias pra cá tem sido sempre assim), debruçado no parapeito de minha velha e querida varanda (Velha e sempre inacabada querida varanda que através de ti já me levei há lugares jamais idos), novamente, outra vez, de novo, todavia, entretanto: displicentemente saí a caminhar beira mar, o que me levou a pensar, e aí pensando e pensando, aqui e acolá, por acaso me veio no pensamento o pensamento gostoso de poder pensar em você. Rs.
                Bom é viver e viver; ao contrário de muita gente que dizem não se arrepender de nada já cometido; hoje pondero... Penso: decisivas situações decididas em minha vida poderiam ter outro rumo...
Prioridade!... Rs...
O ato e efeito da conquista, essa maravilhosa impressionante impulsão que nos impele e, nos sacode, é realmente maravilhoso; mas só hoje, só hoje aprendi do cuidado que antes deveria me precaver...
Às vezes priorizamos tanto determinadas conquistas que até nos esquecemos completamente de avaliar em primeiro lugar, qual o verdadeiro sentido desse objetivo final. Rs. Pobre que sou corre em minhas veias o intuito maior do meu eu, vencer e conquistar, conquistar e vencer. Muitas vezes nem necessitamos daquilo que queremos tanto, aquilo que nos é absolutamente necessário já o temos. Quantas vezes com afinco lutamos por um objetivo nulo. Então o grande dia da vitória chega; aí detemos-nos a pensar: ufa! Eu venci, eu venci! Mas o que fazer com isso, agora?...
                Que bom poder pensar em você meu primogênito filho. Embevecido, solto, alheio num decorrido tempo do tempo que ainda tenho, paro e penso em você. Exatamente em você! Rs. Você que priorizou conhecer este vasto infindável arredondado conglomerado anexo de mundos a fora, se foi... E, eu? Eu que no princípio enfatizei como sempre enfatizei a conquista, e a conquistar e a conquistar, agora estou só!... De tanto conhecer o que já conhece, nem mais sei por onde andas, dos compromissos arriscados, assumidos e cumpridos, deixei a muito tempo de ser um compromisso pra você. Rs. Seu tempo é curto, agora suas prioridades são outras!...

                Então hoje e daqui para todo o sempre, agirei sempre assim: do tempo que tenho (Se é que tenho), decidi não ter mais prioridades. A prioridade será não ter prioridade, e fim de papo.

Rs.

Faloouuu!!!  



                                                                  
                                                                                      
                                                                                   
                                                                                            Ao lado do "Pai"

Nenhum comentário:

Postar um comentário