06 abril, 2012

De vez em quando a gente encontra anjos!!!...






Quem me vê
autografar passa,
e não sabe o que passei.


              Enquanto todos ao meu redor:
              prosperavam. Só me cabia lamentação...

              As coisas têm acontecido muito depressa. Homem que sou, ainda não me acostumei com tudo isso, e talvez quem sabe, dure ainda um bom tempo? Rs. Nestes instantes antecedentes, sensações incomodas novamente se apossam de mim. Tudo tal como na primeira vez, despertando-me a falsa impressão que não irei agüentar. Rs. Ser o que sou é um grande privilégio, escrever e o mundo ler o que escrevo, é ser um ser abençoado...
             Quem me vê autografar passa, e não sabe o que passei; nem sonha os anos que vivi de uma vida atribulada; desgastante, sem amor, sem vitórias. Simplesmente nada dava certo, o sucesso não vinha. Financeiramente quebrei fui para o fundo do poço, o pouco do dinheiro que tinha não subaproveitar correu todo pelo ralo, mal tinha uma calça para vestir.
             Cabisbaixo como andava o chão era a minha visão. As coisas que me aconteciam, aconteciam sem ânimo. Passei então a ser um fraco sem expectativas, sem interesse, desiludido. Se por uma eventualidade, esporádica viesse a intentar uma situação melhor. Aí só pioraria o resultado final, dificilmente daria certo.
              Enquanto todos ao meu redor: prosperavam. Só me cabia lamentação... Em casa, já não tinha moral alguma. Aquilo que a esposa e os meus filhos decidissem assim estaria decidido; sem o meu aval... Também pra que? Pessimismo era eu em pessoa! Em tudo eu retrucava: isso não vai dar certo, pode parar, vai dar errado!...
              Quando alguém me perguntava: Ei, Júlio! Você está bem? Como vão às coisas? Numa melancolia total, sem forças até para entoar a voz; como um sujeito mandado só respondia aquilo que há muito tempo colocaram em minha boca: Vou vivendo como Deus quer! Né?... Afinal de contas essa é a vida que ele me deu!... Essa é a vida que ele quer pra mim!...
Crente não era! Em ninguém, em nada. Na mesquinha visão que eu tinha, não lembro, nunca! Ter levantado as mãos pro céu agradecendo alguma graça recebida...
No fundo do fundo do poço onde me encontrava, não foi nada fácil sair. Mas nem tudo está perdido sempre existe uma saída, de vez em quando a gente encontra anjos... Por muita insistência ali no meio da rua dei a minha mão direita àquela abençoada, bendita cigana que declarou: nada dará certo em sua vida, os seus caminhos estão fechados!... Quando lhe implorei o que fazer para que os meus caminhos se abrirem, ela me encarou; e num tom de severa sinceridade, olhou dentro dos meus marejados, olhos e assim falou; pra você só Deus, viu!
               A partir daí sem saber a quem ou quem me recorrer, busquei incansavelmente auxilio e conhecimento em várias seitas e religiões, sem nada valer. Rs. Nem sabia! Quem dera soubesse antes... O socorro e o meu auxílio bem presente para todas as horas; estavam ali do meu lado, só eu não via. Mas de vez em quando a gente encontra anjos. Rs. Desta vez dei ouvidos ao meu filho caçula, que me levou a igreja evangélica. Aceitei Jesus e dali em diante todos os meus caminhos, portas e prisões se abriram. Rs. Por que: “Se, pois, o Filho do Homem vos libertar, verdadeiramente sereis livres”!...
              De lá pra cá é só bênçãos. Agora à tarde, aqui neste anfiteatro será realizado o lançamento do meu mais novo livro. Esse é o de número sétimo, de minha recente carreira; se as coisas acontecerem dentro do planejado, será mais uma tarde de autógrafos, admirável. Uma coletiva será dada, a imprensa solicitada já se encontra no local. Teremos aqui uns trezentos convidados, muita gente bonita e importante. Tenho fé em Deus, ser também este novo trabalho, bem sucedido, aceito e indicado...

Tenha fé você também! As coisas podem mudar pra melhor. Tudo acontece de uma hora pra outra...

De vez em quando a gente encontra anjos!!!...

Rs...

Faloouuu!!!...

                                                                                            Ao lado do "Pai"



Nenhum comentário:

Postar um comentário