17 maio, 2014

Hoje uma irmã cantou o hino da minha avó











Hoje na minha
igreja uma irmã
cantou o hino da minha avó.

              
             Tem um hino do cantor cristão, que minha avó cantava muito.

         Todo mundo diz: Sua vó contava uns casos bons, hein! Eta, velhinha boa de contos era ela! Não sei de onde tirava tantos, se nem ler, sabia. Parece que tinha um ímã grudado em si para atrair tantas pessoas, e quem ouvisse um, aí tava pego! Querendo mais e mais e mais. A oratória é um dom, congênito, da própria pessoa e ninguém tira. Por isso quem tem, tem! Quem não tem, não tem. Há aqueles que por astúcia ou vivacidade buscam e adquirem através dos estudos, cursos, observações e práticas; mas em minha opinião os bons mesmos são os nato; e se estudados, então melhor, podendo vir até conquistar o mundo.
        Nos tempos de minha avó, na casa grande não faltavam pessoas para uma boa conversa, e nos finais de semana: aí sim, era lotada. Então se fazia muita polenta, linguiça de porco, com batata frita, e uma enorme panela de arroz branco; onde todos comiam e bebiam a vontade; para depois cantar e dançar, bem acompanhado de uma sanfona e vários violões; e isso sim era uma festa, um verdadeiro culto ao ar livre. Rs. Até os não crentes se regalavam.
Tem um hino do cantor cristão (Número 308), que minha avó sempre cantava, ela adorava esse hino, e quando cantava, botava a alma na música, contagiando a todos, presentes; Sua voz não era boa para o canto, era desafinada; mas rítmo tinha de sobra e isso ajudava muito. 
Um dia por volta dos meus sete anos de idade, minha avó amanheceu muito doente e foi logo internada, vindo a permanecer por vários dias na U.T.I... Quando saiu e foi pro quarto normal os irmão de fé a visitaram, e cantaram seu hino; Naquele dia ela não cantou, mas seus olhos choraram... E quando todos pensavam que dali sairia com vida, um anjo de Deus veio e a levou consigo, nos deixando órfãos... Isso não me agradou nem um pouco, e me lembro ter blasfemado contra o Todo Poderoso, não achando justo, te lá tirado de nós, e nesse rancor de profundo ressentimento, permaneci vários dias, sendo consolado por minha mãe, ela me disse: Meu filho querido! Sua avó agora mora no céu, lá é o lugar dos bons, e de lá ela cuida de nós; se você quiser vê-la e, falar com ela, olhe pro alto, localize a estrela que mais brilhe e fale.
       O tempo passou e passou muito, hoje casado, sou pai e também avô. Mas nunca me esqueço de localizá-lá no céu.
       Então hoje na minha igreja uma irmã cantou o hino da minha avó, não me contive, fechei os olhos e chorei. Quando terminou o culto, voltei para minha casa, observando silenciosamente o movimento das estrelas; e cantando só para mim, este maravilhoso hino, que sempre me lembra dela.

Para Onde For Irei.
Se eu tiver Jesus ao lado e por ele auxiliado,
Se por ele for mandado a qualquer lugar irei.

Coro

Seguirei ao meu bom Mestre,
Seguirei ao meu bom Mestre,
Seguirei ao meu bom Mestre,
Onde quer que for irei.

Seja meu caminho duro, espinhoso ou inseguro,
Em seus braços bem seguro, aonde me mandar irei.
Males poderão cercar-me, ou perigos assustar-me,
Mas, se Cristo segurar-me, aonde me mandar irei.
Quando terminar a vida, finda minha triste lida,
Tenho a glória prometida, eu pra meu Senhor irei. 

Cantor Cristão (308)

Composição: 

Fanny Jane Crosby (1859-1930); Ira David Sankey (1840-1908)




Ouça:

Hino 308 do cantor Cristão "Para Onde for Irei"




                                                             Ao lado do "Pai"

Nenhum comentário:

Postar um comentário