29 dezembro, 2012

Ainda bem que o mundo não acabou!!!









Feliz fim de ano, não
feliz fim do mundo. Rs.

             Se Jesus afirmou:
            "Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos que estão no céu, nem o Filho, senão o Pai". Então me pergunto: estaria certo o homem atestar uma data para o final do mundo?... Ou seria aí uma blasfêmia?...

            O natal já passou, foi ontem, nos próximos dias entraremos com tudo nas disposições finais de uma das festas mais festejadas e comemoradas de todo o ano, é o “Réveillon”, que está chegando, celebração marcante dos últimos minutos de um ano que termina, e outro que se inicia. Por ocasião dessa data, eu prefiro assim: nada de consumismo extravagante, exageros ou desperdício com o supérfluo. Então das roupas que tenho uso e gosto, separei uma toda especial, para essa data especial, rs. O que acontece é bem simples, por desuso existem peças a embolorar no meu closet. Também não posso afirmar quanto tempo durará esse meu mais novo modo de vida, ou estilo de vida se assim melhor preferires, rs. Isso já se passou comigo, mas não beirou nem um mês.
Na oprtunidade do “Réveillon”, por esses dias lembrei-me: cadê o fim do mundo, onde tanto se apregoou, anunciando que tudo acabaria nas vésperas desse natal?... Rs, ainda bem que isso não aconteceu. Porque disso já nem me lembrava mais... Imaginem, só! Seria o final do mundo, e eu, já nem me lembrava mais! Em minha chata cabecinha gorda (apanhada por herança lá dos meus velhos queridos pais), pairou uma grande dúvida: teria real fundamento as previsões feitas, elaboradas ou imaginadas pelo homem, referente ao “Apocalipse”?... Seriam elas confiáveis?... Situação adversa encontra-se registrado na Bíblia, lá no livro de Marcos, 13-32, quando Jesus sendo interrogado pelos seus discípulos acerca do fim do mundo, responde: “Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos que estão no céu, nem o Filho, senão o Pai”.
             Diante de tal exposto penso: sendo Jesus o Filho do Deus vivo; lá no princípio (quando não existia nada), já andava com Ele, e tudo o que foi feito Ele fez participando-o, e nada do que se fez foi feito sem Ele saber ou conhecer, vem definitivamente afirmar: este segredo pertence ao Pai!



Então me pergunto: estaria certo o homem atestar uma data para o final do mundo?... Ou seria aí uma blasfêmia?...
Na ignorância que fui formado, prefiro viver a vida que Ele me deu, nos dia que Ele me concedeu...


Feliz ano novo! Feliz 2013!
Que este ano seja mais um ano abençoado, cheio de paz, de alegria, de muita saúde, de muitas amizades. De muito dinheiro no bolso, de muitas realizações e prosperidade!


Rs.


Faloouuu!!!








                                                                          
                                                                                            Ao lado do "Pai"

24 novembro, 2012

Só volto pra casa à noite. Tchau! Fui!!!...







Entendi o sinal,
me troco e vou!...
Só volto pra casa à noite.

             Existem dias na vida da gente, que devemos deixar tudo de lado, sair e curtir...

             Existem dias na vida da gente que até parece ser de noite, não é mesmo? E olha que nem precisamos fazer nada de errado, pra que tudo aconteça assim... Quer ver um exemplo?... Outro dia tirei uma folga no trabalho e ao me levantar preparei o café na cafeteira, e enquanto ele se fazia fui a padaria buscar uns pães; ao chegar tive a seguinte resposta: infelizmente hoje não temos pão, ontem o padeiro não veio trabalhar...
             Acabrunhado voltei pra casa tomei uma xícara de café e fui pra internet, aí notei que o meu sinal, assim, sem mais nem menos não existia, mais... Rs. Fiz umas reclamações junto a minha operadora, levei uma canseira danada e mudei de idéia... Decidi ler, procurei o meu livro e não encontrei; então me lembrei: esqueci trancado na gaveta da minha mesa, lá no trabalho... Rs.
            Nessa tomei outra xícara de café, e tive uma boa idéia! Ligaria para um amigo a fim de combinar um programa mais tarde... De posse do celular verifico que a bateria está descarregada e o carregador também ficou preso, trancado; novamente lá na gaveta da minha mesa, lá no trabalho... Rs... Então tomei um banho peguei as chaves do carro e determino sair, dar uma volta, ir até o shopping. Desci até a garagem, e aí tive uma nova surpresa: o pneu do carro estava furado... Rs. O que fazer?...
Diante de tantos contrários expostos de uma só vez. Voltei para casa e permaneci o dia inteiro trancado, perante a televisão. Rs...

Hoje até parece querer acontecer à mesma coisa, comigo. Pra se ter uma idéia melhor do caso, estou novamente de folga; acordei fui para o banheiro com a intenção de tomar um banho; abrir o registro do chuveiro e não saiu água... Liguei para o síndico, e ele me revelou haver um problema externo ao nosso prédio, mas que já teriam avisado a companhia responsável, sem saber a hora exata do reparo.
            Vou para o fogão e opto por esquentar o leite. Não tem gás. O fornecimento fora interrompido devido ao mesmo problema externo.  Como ainda é cedo tenho a intenção de assistir o jornal. Ligo o televisor, ele não funciona. Verifico a corrente elétrica e tenho a seguinte novidade: Ela também foi interrompida.
            Então me lembro do dia passado e digo para mim mesmo: hoje eu não fico acabrunhado aqui em casa, vou sair e curti esse dia inteiro, que Deus me deu; e para que isso melhor se confirme, tiro uma palavra na Bíblia, onde ela me abre bem ali: Salmo. 91: 1 – 16. Leiam!...
             Entendi o sinal, me troco e vou! Só volto pra casa à noite. Tchau! Fui!!!...
Rs...
Faloouuu!!!...

                                                                                            Ao lado do "Pai"

12 outubro, 2012

Qual felicidade maior: Quem acabou de chegar? Quem acabou de partir?... Rs...



Assim tal como:
As águas de um rio
que passa; gravados
estão, nos vídeo-tape
da história, sem
probabilidade nem uma,
de um pequeno retrocesso.


                  A vida é um show,
                  um espetáculo fascinante, imperdível de se viver.

                 Seu Thiago é o meu taxista favorito. Gosto dele! Ando sempre com ele e isso já tem bem mais de dez anos. Dirige bem, está sempre atento e cauteloso. Com ele nunca estou a pé, conhece a cidade toda; assim: como a palma de sua mão... Um verdadeiro gepese humano... Rs... Tempo ruim não tem, podendo ser a qualquer hora do dia ou da noite; se chamar ele vem.
                 É um homem de mente aberta, de boas idéias, e dá bons palpites. Quando a gente se encontra, o certo é que terei: uma corrida suave, boa companhia e altos papos a tagarelar. Rs. E aí a gente fala de tudo um pouco: televisão, moda, futebol, política, religião... Ah! Uma particularidade que não tem nada a ver, mais eu admiro muito em sua coragem, é: já ter se casado por sete vezes, ter doze filhos e sete netos, e atualmente morar só. Rs.
                 Numa dessas corridas que fizemos outro dia, fiz o seguinte comentário: E a aí Thiagão! Sabe aquele negócio rendoso que lhe falei outro dia? Deu certo meu, então se pudesse iria comemorar, raspando a cabeça e deixando a barba crescer. Só não faço, devido à sociedade conservadora e egísta, do meio em que vivo...
                  Então ele me respondeu: Se você pode, tem condições e gosta; por que não faz? Chute o balde, a vida é sua, toda sua! Só temos uma vida e daqui não sairemos vivos, mesmo. Por que então não viver intensamente fazendo o que melhor lhe atrever?... É duro viver uma vida enquadradinha dentro dos termos que a sociedade nos impõe... É por isso que eu não sou nada, não tenho nada e nem emprego bom arrumo. Na minha idade deveria ser alguém, mas devido a essas imposições de fazer tudo bonitinho como os outros querem, sou o que sou: um mané sem viola!...
Ah! Eu adoro a vida, sabia? Mesmo com todos os percalços que nela tem, mais eu adoro viver!... A vida é uma coisa linda...
E aí ele emendou o seu comentário com uma espécie de lamentação, que no final me fez refletir... Vejam os seus gemidos prólogos: Rs.

                  Que pena meu Pai! Que pena que num dia desses tudo vai se acabar. Todos nós, sem exceção alguma, um a um, deveremos dar um tchau para tudo isto aqui, e partir rumo ao nosso novo lar; deixando para todo o sempre, este querido abençoado velho mundo. Que castigo meu Deus! Viver e deixar de viver a vida, quando ainda que vivêssemos uma vida toda, bem vivida, mesmo assim não seriamos capazes de viver o tudo que a vida tem de melhor. Ah! Meu Pai! É uma pena saber que isto vai ocorrer!... Ainda que o céu seja a nossa morada eterna. Ainda que o céu seja a nossa casa paterna. Que pena!...
                  A vida é um show, um espetáculo fascinante, imperdível de se viver. Rs... Que diga melhor os vivos!... Rs... Com horas preestabelecidas, de início e fim; ao nascermos o nosso tempo sincronizado, começa a contar: tic-tac, tic-tac; é o relógio da nossa existência, e de minuto a minuto extingue o nosso andamento de vida... Assim tal como: as águas de um rio que passa; gravados estão, nos vídeo-tape da história, sem probabilidade nem uma, de um pequeno retrocesso.
                   Existe de modo invisível, um grande fluxo despercebido na maioria de nós; e sem fim. Um verdadeiro aeroporto de embarque e desembarque, num constante vai e vem de gente que chega, de gente vai...
                   O semi-deus que sou, quisera eu banir tal incredulidade. Qual felicidade maior: Quem acabou de chegar? Quem acabou de partir?... Rs...

                   A corrida terminou e como já era bem tarde da noite, me apressei em sair. Mas contudo, todavia, porém, entretanto... Antes abrir minha Bíblia...
                    Este mundo é muito bonito e belo e foi nos dado de maneira a desfrutá-lo, sim, isso é sabido!... Mas o céu tem a obrigação em todos os sentidos de ser muito melhor e mais belo, e eterno. Se não fosse assim à morte do meu querido irmão, Jesus; não teria sentido algum. E se ele se sujeitou em vir até aqui e passar o que passou, tenho fé, e Nele acredito; foi por um motivo justo. De modo (Isto sem pressa alguma), que quando chegar a minha hora, será um momento de grande glória... Ora vem senhor Jesus!

Rs!...

Faloouuu!!!...

                                                                                            Ao lado do "Pai"

28 setembro, 2012

Bom dia com muita alegria







Tudo de bom para aproveitar
o visual e deixar o dia inteiro
passar, de papo pro ar...

                Será que quando como pipocas, como para espantar a solidão?  Nunca havia pensado nisso!...

                Naquele dia logo de manhã após me levantar, tomei um café rápido e sai, precisava tomar uns ares diferentes, tava ficando meio que fadigado já com aquelas mesmas coisas de sempre na minha frente, e aí sair um pouco seria bom pra mim, então fui.
                Enquanto ia pensei em voltar e continuar o que havia começado já há algum tempo; parei e pensei: Volto ou não volto? Se eu voltar continuo e adianto... Mas aí resolvi que o meu livro novo, aquele que ainda estou escrevendo poderia esperar mais um pouco, então continuei em frente, e fui. Fui a pé! Apreciando a avenida principal, coisa que eu não fazia já há algum tempo.
                 Decidi que não teria pressa e foi dessa forma que fiz, e achei muito bom. Andando e olhando aqui e acolá notei que muitas coisas haviam - se modificado e eu não sabia. Ultimamente tinha pouco tempo e só andava de carro...
                 Comecei a achar que deveria fazer isso por mais vezes, afinal de contas o meu bairro sempre foi muito bonito, e agora estava mais ainda: Ruas arborizadas, belos e modernos prédios demonstrando uma arquitetura fina, e um centro comercial aonde se encontram de tudo... Nossa praia é de tirar o fôlego, e ainda mais nessa época do ano (Temporada), com muita gente nova e bonita; nas novidades da moda, desfilando com roupas de banho pra lá e pra cá...
Na bifurcação que se encontra bem no meio de minha cidade, não sabia pra que lado deveria ir; então me deixei levar, e fui na direção do vento e ele me levou e eu gostei... No caminho comi frutas, da época, tomei sorvetes e bebi água com gás. (Minha preferida!) Já me acostumei e agora não abro mão.
                   A essa hora o sol já estava esquentando muito e eu imaginei a praia lotada e tive vontade de vê-la. Já de longe se notava uma quantidade massa de banhista. Fui chegando e de mansinho me apoderei de uma cadeira e uma mesa retirada de um quiosque mais próximo da orla, e pra refrescar pedi um refrigerante, com limão. Perfeito! Tudo de bom para aproveitar o visual e deixar o dia inteiro passar, de papo pro ar...
                   Logo que sentei assim do nada senti alguém tocando em meu ombro do lado direito, quando me virei, ele se apresentou do lado esquerdo. E esboçando um sorriso banguelo me disse: - Bom dia! Com muita alegria. Rs, rs, rs...
                   Esse sujeito é um velho conhecido do bairro, assim como em todo bairro tem um andarilho, no meu tem ele. Nada mais, nada menos que o: Bom dia com muita alegria! Nunca ouvi dizer que ele já fez mal a alguém, e sempre das vezes que o vi ele estava sorrindo, parecendo muito feliz. Ganhou esse apelido devido ao seu conhecido jargão que ele mesmo diz ao se aproximar das outras pessoas.
                    Como se estivesse marcado, sendo esperado e desejado puxou uma cadeira, sentou do meu lado e perguntou: - Já comeu pipocas para espantar a solidão? Rs!... Não querendo ser mal educado, respondi: Não! Nunca fiz isso! Bem... Se fiz também não sei, se fiz. Rs. Por exemplo: Sempre que assisto um filme, gosto de pipocas como companhia; mas nunca havia pensado assim!... Após a minha resposta ele fez mais outra observação: - Já reparou que quem come pipocas geralmente come sozinho?... Não! Respondi. Também nunca havia reparado nisso!... Rs!... Que interessante essa tua observação!... Ele olhou pro lado, olhou pra mim e me interrogou mais isso: - Será porque quem come pipocas, quando come, come sozinho para não dividir com ninguém?
                     Mudou bruscamente de assunto e perguntou: - Você apostaria todo o seu dinheiro num grande prêmio da loto, ganharia esse prêmio sozinho e em seguida dividiria todo o dinheiro ganho entre os seus melhores amigos?
                     Já gostando do papo, respondi: Não sei se faria isso, mas confesso ser isto um ato de muita coragem!
                     O bom dia com muita alegria novamente mudou bruscamente o assuntou, virou para mim e exclamou dizendo: - Onde você está? Acorda! Sai desse mundo de egoísmo e vai para a luz. O senhor está te chamando, vai! Vai para a luz... Olhe só você! Veja onde você está! Vai!

                      E aí do modo como veio levantou-se e foi embora.
                      Pasmado e calado permaneci ali a olhá-lo!
                     Enquanto se retirava, me perguntei:  Será que quando como pipocas, como para espantar a solidão? E quando como, como sozinho para não dividir com ninguém?... Será?...

Nunca havia pensado nisso!... Rs...

Faloouuu!!!








                                                                                            
                                                                                            Ao lado do "Pai"


14 setembro, 2012

Ontem fui à casa do meu amigo.






Isso é telepatia!
Pois agora mesmo eu ia
lhe telefonar pedindo que viesse até aqui.

                Por uns dias a gente não se via, só nos comunicando através de e-mails e por telefone

                Ontem eu fui à casa do Zé-magrão, ele é meu amigão! Desde os bons tempos do segundo ano do colégio, quando a gente pensando que éramos os mais espertos da turma cabulávamos as aulas de matemática, só para ficar do lado de fora namorando as duas irmãs gêmeas. Rs. A Rita era a minha e a Rosinha era dele. Rs. Quando o fim do ano chegou, ficamos: eu e ele de recuperação. Rs. Só sendo salvos devidos aos nossos bons trabalhos em grupo. Rs...
                Desde aí que a nossa amizade se enraizou, e de lá pra cá tem se fortalecido ainda mais... Assim: de uma forma tão simples e verdadeira, que hoje em dia depois de passados alguns anos, a gente olha para trás e vê com muita cautela, como tantas coisas se modificaram, e como tantas coisas novas vieram, e como tantas coisas que na nossa época eram ditas juras eternas, e que hoje se perderam e se foram, só deixando no tempo um fiasco rastro de um amargo, fel na boca...
               Com o passar dos tempos a nossa amizade se tornou ainda mais fiel e verdadeira, verdadeira a ponto de eu poder dizer e afirmar: nele eu tenho um amigo, um amigo em que eu possa contar para todas as horas e todos os tempos... Nele eu tenho um amigo de verdade, nele eu tenho um amigo, mas chegado que um irmão! Rs...
Então já fazia uns dias que a gente não se via, só nos comunicando através de e-mails e por telefone. Ontem, domingo à tarde, tomei a feliz iniciativa e na hora do jogo (O nosso time é o mesmo), fui até a casa dele, o portão estava entreaberto, não vacilei, o chamei e entrei; e para a minha supresa ele me atendeu correndo pelo quintal dizendo: Isso é telepatia! Pois agora mesmo eu ia lhe telefonar pedindo que viesse até aqui em minha casa para nos comermos um peixe e assistir uma boa partida de futebol!...
Ele é sempre assim: com a sua contagiante alta estima sempre em alta, faz de sua companhia uma agradável companhia para quem o acompanha. Depois do jogo e do peixe ouvimos e recordamos uns bons hinos evangélicos, daqueles que já não se ouvem mais, daqueles do tempo do vinil...
                 Quando me deparei, já era bem tarde; despedi-me, apanhei um táxi voltando de imediato para a minha casa. No caminho ia pensando: Que coisa é essa, a telepatia? Uma comunicação extra-sensorial de pensamentos e sensações, que mesmo a distância, age, entre duas ou mais pessoas. Com muito poder. Até, na aproximação...

Bem, se foi telepatia não sei!...
Más é sempre bom, ter um bom amigo. Rs.

Faloouuu!!!...

 
 
 
 
 

                                                                                           Ao lado do "Pai"

22 junho, 2012

Conjectura daí que eu conjecturo daqui. Rs...










A mentira
tem pernas curtas.

                  A meu ver bem que poderia ser incluso,
                  dentre os conhecidos pecados capitais.

                 Num dia à tarde após as chuvas de verão estear um pouco daquele chove não molha durando nisso ali quatro dias; para a minha feliz surpresa visitou-me novamente em minha loja, o cunhado do meu cunhado, homem calmo, sereno que naquele dia após sentar e dizer-me de onde vinha, fez-me a seguinte conjetura: Seria mesmo verdade que uma mentira contada mil vezes torna-se verdade e uma verdade exposta com fraco entusiasmo, passa a ser desacreditada? Quem poderia afirmar, sim ou não?...
                 Do meu lado pecante que sou não aprecio tal pecado, nem exalto o pecador usuário. Mas prefiro aqueles que dizem com firme convicção.
                 Dizem que vendedor que não mente não vende. Rs... Agora me lembro dum sujeito que apareceu vendendo blusas de lã, quando abordado por um suposto cliente que lhe perguntou: essa blusa estica? Para provar a autenticidade do seu original produto e temendo ali uma considerável diminuição dos lucros no final da tarde, o homem que vendia de imediato responde: logicamente que não meu senhor trata-se de um produto de fino fio. Ao passo que o outro torceu o nariz, pois o seu desfigurado figurino exigia um laceamento na região do abdômen, rapidamente aquele vendedor mudou seu discurso passando a afirmar: Quero dizer que sim, logicamente laceará no tamanho e local adequado! Rs... E sem escrúpulo algum passou a esticar o produto... 
                                              ~~~~&&&~~~~
Por mencionar abdômen, de um tempo pra cá sou obrigado a conviver com uma, saliente deselegante incômoda barriguinha, que descontraído a passos curtos hoje passo exibir por onde vivo a andar. Rs. No princípio não foi fácil pra mim, imediatamente me opus a tal distorção corpórea, passando a não mais comer: nem isso nem aquilo, nem aquilo nem isso; de forma que entrei num regime ferrado... Levado pelos outros fui à academia e também adquiri pesados equipamentos práticos de ginástica, que em poucos dias deu-se tudo em nada. Mas como em tudo não estamos sós! Então... De pé como estou, vejo meu pé, assim não me amarguro. Contra a realidade não há relutância...
                  Introspectivo me é saber que nos dias de hoje tudo é moda, moda e moda. Imaginem, só: outro dia proibiram-me comer um pãozinho francês com manteiga (Daqueles estaladinho nas mãos), por que engorda. Aí se formou uma guerra. De um lado o meu desajeitado apetite diz que posso e devo. O lado oposto e social imputando regras e deveres difíceis de cumprir, me orienta: melhor maneirar, controle-se. Diante do amargurado relutante impasse, opto por ficar com o social, mas só eu sei o quanto sofro... Tal como um cachorro que o seu único dever é guardar o quintal, assim vigio minha boca. Então de que me adianta ouvir o meu vizinho quando entusiasmado me diz: há décadas o pão da padaria do Sr. João, é o melhor da nossa região!...
                                              ~~~~&&&~~~~
                  Deixe-me voltar por onde comecei e não terminei, sem querer nem por que me esgueirei nos caminhos do pensamento que são tantos e me levam a pensar, a falar e cogitar naquilo que aqui acolá vivo a matutar quando não digo alto. A meu ver bem que poderia ser incluso, dentre os conhecidos pecados capitais a dita cuja maliciosa inoportuna mentira. Por ela já se atravessaram tantos pecados, que...
                  Como não terminava vi que sua cabeça pendia por sobre os seus cansados ombros, na ponta dos pés calculando onde pisava, fui conferir e, de fato ele dormia e assim dormiu sem concluir.

                   Agora conjectura eu: Seria mesmo verdade que uma mentira contada mil vezes torna-se verdade e uma verdade exposta com fraco entusiasmo, passa a ser desacreditada? Quem poderia afirmar, sim ou não?...

Rs...

Faloouuu!!!...


 
 
 
 
 
                                                                                           Ao lado do "Pai"

08 junho, 2012

Comer, comer e comer pra depois arrotar e dormir. Rs...




Ouvi dizer que
dormir é perder
parte da vida. Se
alguém sonhasse os
sonhos que sonho, não
concordaria tão rápido assim.

             Mas que coisa seria essa? A minha vontade não passa, nesse momento tenho muita vontade de comer, comer e comer até me encher, pra depois arrotar e permanecer a tarde toda deitado de papo pro ar... Rs.
             Com muita sinceridade a minha vontade agora, neste apropriado momento é comer bastante encher bem a barriga pra depois arrotar e dormir a tarde toda. Rs... Eita! Mas que coisa feia seria essa, se nos dias de hoje até o comer de mais anda fora de moda... E de mais a mais quem foi que disse dormir a tarde toda? Se a vida é feita de vida e de menos sono, se a vida é danada de boa de se viver e não dormir... Isso só pode ser coisa dos meus dedos ágeis traidores, que num vacilo rápido esgueira escorregando abaixo no teclado a digitarem o que não peço. Hum!...
             Não seria essa a minha vontade de expressar o que penso o que quero; o que penso e quero ta no meu esforço, na minha mente e transcrevo agora, da minha maneira. Rs.
             Independentemente do ético ou antiético, anseio agora comer bastante encher bem a barriga pra depois arrotar e permanecer a tarde toda na preguicinha. Rs. Só na preguicinha gostosa de todos os dias que é bom de viver. E aí, a vida passa no suave... Rs...
              Saiu da boca dos intelectuais, e ouvi dizer por aí que dormir é perder parte da vida... Será?... Logo discordo, se alguém sonhasse os sonhos que sonho, não concordaria tão rápido assim. No demais a vida não é feita somente de vida vivida. Rs. Carrega consigo os sonhos.
              Gozar uma vida de qualidade, e passar as tardes de papo pro ar, é coisa boa que todo mundo quer. Mas!... Mesmo que queiram, muitos não a têm...
Desde que cheguei neste planeta terra, planeta água! Criação maravilhosa de meu Pai, coisa inegavelmente esplendorosa de uma beleza descomunal, sendo o terceiro planeta a partir do sol e quinto em tamanho dos nove que compõem o sistema solar; Eu durmo! Rs. Assim como o pão que me alimenta, ai de mim se não dormisse; nem sei quem seria eu. As tardes o meu corpinho reclama o seu repouso gostoso, e eu não me oponho, cedo. Rs... Quando acordo, acordo rejuvenescido, novamente jovem... Com muita força, digo: mundo velho, meu mundo querido, mundão aberto escancarado sem porteiras, receptivo a quem quiser pousar, adoro viver em ti! O cúmulo é ouvir que uma descomunal obra dessa magnitude e criação exclusiva de meu Pai Celestial; não tem nada de bom a nos oferecer, ou a nos dar... Ah! Isso não, né? Com tantas coisas boas acontecendo o tempo todo lá fora... Haveria alguém que ainda nunca recebeu um bem?...
              Filho do Pai que me fez, obviamente nas minhas veias corre o seu sangue... Então me ofendo! Oh! Gente mal agradecida. A chuva cai, o sol nasce à planta floresce, o fruto cresce... E tudo é nosso e de graça! Demonstrações de carinho não faltam. Aconselho abrirem os olhos e, verem quanta proteção.
              Quando eu em meu estado central patológico direcionado em diversas características da insensibilidade profunda ou temporária me conduzir ao sono, de maneira nenhuma resisto. Rs... Deixo a vida me levar. Nem por isso foge de mim a ambição, a conquista, o desejo, o poder, o prazer, a satisfação, o carisma, o amor, a força, etc e, etc... E tal... De maneira como estão um para o outro: a abelha e o mel. Arraigados estão em meu âmago, essas demonstrações de sensações todas herdado Dele mesmo, que me fez bem feito.
               Lá no livro de Filipenses 2 – 13, lemos: “Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade”.
               Seu poder discricionário é absoluto, Ele é quem demarca o território. Rs.
               
               Que coisa seria essa? A minha vontade não passa, nesse momento tenho muita vontade de comer, comer e comer até me encher, pra depois arrotar e permanecer a tarde toda deitado de papo pro ar... Rs. Melhor não resistir, mas comer só um bocadinho pra depois arrotar e ver a tarde toda passar. Numa boa! Suave...

Rs...

Faloouuu!!!...







                                                                                           Ao lado do “Pai”

01 junho, 2012

Disparidade









Sinceramente não
consigo entender o por que!
Não seriamos nós, todos iguais?

E saber em quantas coisas boas esse mundo tem para todos nós...
Sem mesquinhez!...

               Um sonho de consumo de muita gente é poder ir às lojas e comprar, comprar e comprar; gastar, gastar e gastar. Oh! Coisa boa é poder fazer isso! Fazer coisas desse modo significa você ter dinheiro e não estar nem aí pro valor das mercadorias, significa também você não estar nem aí, com as economias do fim de mês!... Rs... I aí você só não compra aquilo que não for capaz, o desnecessário o desinteressante... Outro sonho de consumo, também vivido por muitas pessoas é o poder das viagens. Sem dúvida! Saber que você tem posses e o tempo para poder viajar... Percorrer o mundo... É um privilégio!...
               Conheço gente que já conheceu o mundo todo, e pelo mundo todo também é bem conhecido. Rs... Que maravilhoso! Que mundo pequeno! Rs.
                Sei de gente com várias propriedades; Uma em cada lugar do mundo!... Rs... Que luxo! Rs...
                Tenho amigos que ao longo do tempo já possuíram vários carros importados. Rs. Outros são colecionadores. Só relíquia! Importados! Rs... Quanta nobreza!...
                Tenho amigos que a vida toda foi ostentada no luxo, na nobreza, no desperdiço. Chamam de sorte na vida... Os iluminados?... Rs...

                 Sinceramente não consigo entender o por que! Não seriamos nós, todos iguais? Sinceramente não entendo o porquê da desigualdade!... Meu deus quanto disparate!...

Olho para o mundo e vejo muita gente que padece, vivendo o tempo todo no sofrimento, só no sofrimento!...
Conheço pessoas que nunca foram ao mar; não conhecem cinema!... A sobra da mistura do almoço de domingo é pro resto da semana. Sei de gente que leva uma vida de cão! Sem parentes, sem mistura, sem amigos, sem dinheiro, sem teto, sem créditos...
                   Vejo gente que vai andando pelo caminho sem a menor perspectiva do que será o amanhã. Nem se lembra de ontem, nem sabe do dia de hoje.
                    Sei de gente que a vida toda nunca saiu do lugar de onde nasceu; morreu na mesma rua.
                    E saber em quantas coisas boas esse mundo tem para todos nós... Sem mesquinhez!... E saber que ele, todo o universo conspira a nosso favor quando almejamos o de melhor para as nossas vidas; e entender que o melhor para todos nós, não é aquilo que podemos ver!... E reconhecer que aquilo que ainda os nossos olhos não viram e ainda não o conheceu, aí sim pode ser de fato o de melhor significância para todos nós.
                    Não somos o acaso, nem estamos aqui por acaso! Somos todos personagens de uma grande história, contada cada dia. Onde o grande autor teve cuidado minuciosos nas diferenças individuais; de cada um de nós.
                    A disparidade foi distribuída a cada um de nós quando da nossa chegada aqui na terra, junto com o nosso inseparável passaporte carimbado validado com data e hora marcada de partida para onde iremos; cada um segundo as vossas próprias obras; pois o tempo em que temos permissão de estarmos aqui, já está definido. Os nossos dias um a um já foram contados; tem uma data certa!... Pré-marcada! Sabido é que sem a autorização Dele ninguém permanecerá nem um minuto a mais, aqui nesta terra. Nenhum de nós conseguirá adiar esse tempo já estabelecido por Ele. Quando chegar à hora um anjo descerá incumbido de tal missão fatídica e aí meu amigo, esteja você onde estiver fazendo o que estiver fazendo; nada importará, ele lhe estenderá a mão e no seu tempo exato lhe arrebatará.
                    Então vivamos e deixamos viver, as desigualdades fazem parte de um plano, e o homem não entenderia nada dos desígnios divino. Faça a sua parte, se possível compartilhe aquilo que é bom. Dando o melhor de si no desempenho próspero para a humanidade.
                    Quando eu ando dou esmolas, não jogo papel no chão, dou emprego, ofereço o melhor lugar aos idosos; ajudo o meu semelhante. Olho para trás e comparo, me sinto mais forte, revigorado pronto para caminhar.
                   Sou um ser vivo, to vivendo, vivo errando, to aprendendo!... Porque eu não sei como fazer, então começo, e vou. E aí enquanto eu faço então descubro como devo terminar e termino...

E termino. Rs...







               

                                                                                            Ao lado do "Pai"



06 abril, 2012

De vez em quando a gente encontra anjos!!!...






Quem me vê
autografar passa,
e não sabe o que passei.


              Enquanto todos ao meu redor:
              prosperavam. Só me cabia lamentação...

              As coisas têm acontecido muito depressa. Homem que sou, ainda não me acostumei com tudo isso, e talvez quem sabe, dure ainda um bom tempo? Rs. Nestes instantes antecedentes, sensações incomodas novamente se apossam de mim. Tudo tal como na primeira vez, despertando-me a falsa impressão que não irei agüentar. Rs. Ser o que sou é um grande privilégio, escrever e o mundo ler o que escrevo, é ser um ser abençoado...
             Quem me vê autografar passa, e não sabe o que passei; nem sonha os anos que vivi de uma vida atribulada; desgastante, sem amor, sem vitórias. Simplesmente nada dava certo, o sucesso não vinha. Financeiramente quebrei fui para o fundo do poço, o pouco do dinheiro que tinha não subaproveitar correu todo pelo ralo, mal tinha uma calça para vestir.
             Cabisbaixo como andava o chão era a minha visão. As coisas que me aconteciam, aconteciam sem ânimo. Passei então a ser um fraco sem expectativas, sem interesse, desiludido. Se por uma eventualidade, esporádica viesse a intentar uma situação melhor. Aí só pioraria o resultado final, dificilmente daria certo.
              Enquanto todos ao meu redor: prosperavam. Só me cabia lamentação... Em casa, já não tinha moral alguma. Aquilo que a esposa e os meus filhos decidissem assim estaria decidido; sem o meu aval... Também pra que? Pessimismo era eu em pessoa! Em tudo eu retrucava: isso não vai dar certo, pode parar, vai dar errado!...
              Quando alguém me perguntava: Ei, Júlio! Você está bem? Como vão às coisas? Numa melancolia total, sem forças até para entoar a voz; como um sujeito mandado só respondia aquilo que há muito tempo colocaram em minha boca: Vou vivendo como Deus quer! Né?... Afinal de contas essa é a vida que ele me deu!... Essa é a vida que ele quer pra mim!...
Crente não era! Em ninguém, em nada. Na mesquinha visão que eu tinha, não lembro, nunca! Ter levantado as mãos pro céu agradecendo alguma graça recebida...
No fundo do fundo do poço onde me encontrava, não foi nada fácil sair. Mas nem tudo está perdido sempre existe uma saída, de vez em quando a gente encontra anjos... Por muita insistência ali no meio da rua dei a minha mão direita àquela abençoada, bendita cigana que declarou: nada dará certo em sua vida, os seus caminhos estão fechados!... Quando lhe implorei o que fazer para que os meus caminhos se abrirem, ela me encarou; e num tom de severa sinceridade, olhou dentro dos meus marejados, olhos e assim falou; pra você só Deus, viu!
               A partir daí sem saber a quem ou quem me recorrer, busquei incansavelmente auxilio e conhecimento em várias seitas e religiões, sem nada valer. Rs. Nem sabia! Quem dera soubesse antes... O socorro e o meu auxílio bem presente para todas as horas; estavam ali do meu lado, só eu não via. Mas de vez em quando a gente encontra anjos. Rs. Desta vez dei ouvidos ao meu filho caçula, que me levou a igreja evangélica. Aceitei Jesus e dali em diante todos os meus caminhos, portas e prisões se abriram. Rs. Por que: “Se, pois, o Filho do Homem vos libertar, verdadeiramente sereis livres”!...
              De lá pra cá é só bênçãos. Agora à tarde, aqui neste anfiteatro será realizado o lançamento do meu mais novo livro. Esse é o de número sétimo, de minha recente carreira; se as coisas acontecerem dentro do planejado, será mais uma tarde de autógrafos, admirável. Uma coletiva será dada, a imprensa solicitada já se encontra no local. Teremos aqui uns trezentos convidados, muita gente bonita e importante. Tenho fé em Deus, ser também este novo trabalho, bem sucedido, aceito e indicado...

Tenha fé você também! As coisas podem mudar pra melhor. Tudo acontece de uma hora pra outra...

De vez em quando a gente encontra anjos!!!...

Rs...

Faloouuu!!!...

                                                                                            Ao lado do "Pai"



03 fevereiro, 2012

Vinte e cinco anos de casamento, bodas de prata.









Atrás da minha
benção, eu ia longe.

              Nós estávamos nas vésperas, já entrando com os preparativos do vigésimo quinto ano da festa de aniversário do nosso casamento.

             Após ter lido mais um capítulo do meu recém comprado livro novo, dirigi-me, para a sacada de nosso prédio, e lá de cima passei então a observar minuciosamente um atraente pedaço do mundo, lá embaixo. Batia em mim um ar novo e refrescante e eu embebecido me refrescava gostoso. Quando eis que de repente entra em cena a minha querida esposa, e sem firula alguma foi direto ao assunto: Meu amor! Olha meu amor! Que tal se a gente se retirasse pro sul de nossa cidade e lá comemorássemos a nossa bodas de prata num hotel fazenda, hem?... Isso não seria ótimo? A mim me parece que sim! E o que você acha hem? Acontece que vi uns anúncios na internet, e me pareceu muito convidativo... Você não acha que a gente merece? Afinal de contas, trata-se de uma data muito especial para nós, e poderemos ir logo após termine a nossa festa... Nós estávamos nas vésperas, já entrando com os preparativos do vigésimo quinto ano da festa de aniversário do nosso casamento.
              Topei no ato! E de pronto já me vi fazendo as malas. Se bem que para mim a bagagem sempre é menor e mais rápida, sendo: Três bermudas, quatro camisetas, um par de chinelos e pronto, to pronto... Agora para ela!... Meu pai!... São: Saias, blusas, sandálias, toalhas, biquínis, maquiagens, e Tudo mais! Minha nossa! Só Jesus na vida dela!... Mais aí marcamos, e passamos então a viver uns dias de pura expectativa... Rs. Mas só alegria!... Rs. Até que a hora da nossa viajem chegou.
Na ida saímos com bastante folga de tempo, e bem antes do planejado, assim sendo no caminho poderíamos fazer umas boas paradas, aqui ou ali, pra um sorvete, um café, ou uma lembrança, sem nos desviar-mos do nosso destino.
Na estrada enquanto eu dirigia o nosso carro e me preocupava com o itinerário, ela muito feliz não cessava de falar, e como falava... Trazendo a tona os seus comentários sobre a nossa festa, o buffet e os nossos convidados, dando aqui especial atenção no comportamento da Cleuzinha e o seu escandaloso vestido curto e decotado... E o seu marido, o Jordão? Aquele bocó! O tempo todo no canto do salão de boca fechada, calado, segurando a criança enquanto ela zanzava e não se cansava em meio a olhares masculino a se exibir pra lá e pra cá. E falava, e falava e me questionava e com a matraca disparada continuava a falar, até que se cansou e calou-se... Olhando para ela sentada ali do meu lado, achei-a tremendamente encantadora, ainda mais bela do que sempre foi; e mais uma vez notei que agora os seus cabelos já eram brancos e assim como os meus os dela também necessitavam tingi-los... Lembrei-me de quando a conheci, de quando a gente começou a namorar... De quando a gente se encontrava as escondidas... Rs. No princípio os nossos encontros eram sempre às escondidas! Ela saia mais cedo do trabalho e eu ia longe atrás dela já que morávamos bem distantes um do outro. O nosso tempo era curto, mas eu não me importava com isso; o que eu queria mesmo era estar com ela, isso sim valia muito a pena.

A nossa festa de bodas de prata foi uma coisa inesquecível, assim como também a nossa estada no hotel foi maravilhosa.

Mais ressalto aqui o momento da ida da nossa viajem, vendo ela ali sentada do meu lado.
Momento revivido esse, de modo muito especial, diferente, memorável... Rs...

Faloouuu!!!







                   
                                                                                            Ao lado do "Pai"