25 novembro, 2011

Um folheto evangélico amassado, jogado no fundo de minha gaveta.







Mas não teve jeito, e Jesus foi
entregue nas mãos dos seus mal feitores.


Hoje resolvi ler um folheto evangélico; achei! Estava guardado, amassado, jogado no fundo da gaveta do meu criado mudo.

                 Da forma como quando se recebe uma carta do correio, devemos primeiramente abrir o envelope, para ver o que nos reserva lá dentro,... Dá mesma forma também se serve para contar um conto; sendo o melhor começar do começo! Certo?... Errado! Com o Pedro-Paulo, as coisas não era bem assim, então ele externava os seus sermões exatamente pelo meio e a gente entendia tudo, e a gente gostava dele, e todos nós, ali, com os pés descalços, e sentados no chão pedíamos mais um.

                 Nossa! O tempo passou realmente rápido demais, naquele tempo eu era apenas um menino que brincava ali no bairro. Já hoje as coisas mudaram muito; sou um homem de altos negócios, vivo muito ocupado, mando e desmando, sou formado e bem casado; mas me lembro perfeitamente dele num culto de domingo de manhã, numa escola dominical. Estava me olhando, o seu semblante era firme e convicto, quando afirmou bem assim: Jesus pagou um preço caro, por sua alma. Ele teve uma morte de cruz, sua alma tem muito valor!...

                 Hoje resolvi ler um folheto evangélico escrito por ele; achei! Estava guardado, amassado, jogado no fundo da gaveta do meu criado mudo.
                  Começa assim:

A cruz estava vazia, e Ele a carregava pelo caminho do golgota, e Ele caiu; caiu porque a cruz era pesada demais!... Sua mãe, Maria via tudo, porque ela estava lá; acompanhando tudo bem próximo e nada podia fazer, então chorava, e chorava, e chorava muito o triste destino de seu filho querido. E a cruz era pesada, pesava muito com o peso dos nossos pecados e Jesus caiu!

                  Horas antes no jardim do Getsemani, Jesus também passou momentos muito difíceis, nos poucos momentos que lhe restava de sua vida aqui na terra. Enquanto Ele ali sozinho, orava ao Pai, seu suor se transformou, e Ele até suou gotas de sangue; e Ele suplicava: Pai! A minha alma está em grande agonia e há minha hora se aproxima; os mal feitores já vêm e o Filho do Homem será entregue nas mãos dos seus executores.
                 Pai eu sou teu Filho, então peço: afaste de mim esta dura prova... Eu sei que se tu quiseres podes muito bem fazer isto! Então eu lhe peço: Pai! Afaste de mim este cálice... Bem sabes a dura prova em que o teu Filho ira passar... Livra-me dessa tamanha maldade. Todavia lhe digo: se não quiseres, seja feito conforme a tua vontade.
                  E foi assim, numa oração solitária que Jesus suando gotas de sangue suplicou, pedindo ao seu Pai que se possível mudasse os planos, pois a sua alma estava aflita triste até a morte e Ele não queria morrer. Mas não teve jeito, e Jesus foi entregue nas mãos dos seus mal feitores.
                  E o conduziram à presença de Pilatos, para que fosse julgado e condenado, por motivos fúteis e sem razão. Diante de uma multidão enfurecida e sanguinária foram colocados os dois: Jesus e Barrabás. E ali aquele bando todo gritava: soltem Barrabás e crucifique Jesus!

                Que coisa absurda, essa! Que triste cenário!...

                Se o homem soubesse... No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus, e todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava à vida, e a vida era a luz dos homens; mas o homem não o reconheceu, e o matou...

               Jesus morreu na cruz, lá no alto do Golgota e nos momentos finais de sua vida Ele bradou: Pai tudo está consumado nas tuas mãos eu entrego o meu espírito!


                                                                                            Ao lado do "Pai"