29 julho, 2011

Falando de Águia



Solitária,
caprichosa,
sedentária e voraz

                     A águia sempre foi tida como um símbolo de bravura. Ainda hoje sua imagem continua a ser um símbolo de independência e coragem. Para entender esse motivo basta ver uma águia de perto. De todas as aves grandes ela é a mais altiva e imponente, seu corpo sólido e vigoroso chega a medir um metro do bico a cauda. E sua envergadura é formidável, pois as suas asas quando abertas chegam a alcançar até dois metros de ponta a ponta.
 Trata-se de uma ave solitária, pois evita qualquer forma de convívio com a sua parentela, preferindo viver sozinha por conta própria e em sua própria casa. Quando formado um casal sua primeira providência é procurar um lugar alto e retirado para construir seu ninho. Como se trata de uma ave sedentária, seu ninho é formado de forma forte e cuidadosa para durar a vida inteira, pois elas não gostam de mudanças. Extremamente zelosa, de sua residência cuidará a vida toda acrescentando novos reforços. Além disso, acrescentam um acentuado sentido de propriedade: sua confortável vida na montanha é sua e demais ninguém. E ai daqueles que dele ousar aproximar-se para fazer-lhe uma breve visitinha: De lá, saíra rechaçado sem a menor consideração.
A fêmea bota de 1 a 4 ovos, cuja tal encubação levará apenas cinco semanas. E a partir de quando nascem os filhotes aí acaba o sossego do casal, pois quando o macho sai em busca de alimentos para sua prole, a fêmea fica ocupada em digerir parcialmente o que foi trazido antes, para regurgitá-lo depois nas goelas sempre escancaradas de seus pimpolhos. As àguiazinhas logo aprendem a se alimentarem sozinhas e algumas semanas mais tarde já são capazes de devorar tranquilamente uma lebre inteira ou vários passarinhos num dia só. Passada a fase adolescente e atingida a maturidade, as jovens águias voam deixando o lar paterno passando daí por diante a terem as suas próprias e solitárias vidas.
                      Sua técnica de caça é ordenada, metódica e eficientíssima. Voando a centenas de metros de altura, elas conseguem localizar suas preferidas presas a quilômetros de distância, tudo graças ao seu grandessíssimo poder aguçado de visão. Seu ataque é repentino e certeiro: em vôo rasante, passam sobre o animal e apanham-no com suas potentes garras. Quase sempre, o susto basta para liquidar a sua vítima; mas como toda ave rapinante, a águia não cuida dessas minúcias. Se ao chegar ao seu refúgio, a presa ainda estiver viva, será devorada assim mesmo, sem dó nem piedade.








Fonte:
Internet,
Conhecer,
Abril Cultural.








                                                              
                                                       
                                                                                           
                                                                                              Ao lado do "Pai"

Nenhum comentário:

Postar um comentário